Correspondente Cambial Fourtrade

FAQ


O que é mercado de câmbio?

Mercado de câmbio é o ambiente abstrato onde se realizam as operações de câmbio (negociação de moedas estrangeiras) entre os agentes autorizados pelo Banco Central (bancos, caixas econômicas, corretoras, distribuidoras, agências de turismo e meios de hospedagem) e entre estes e seus clientes. É regulamento e fiscalizado pelo Banco Central do Brasil (BACEN).

O mercado de câmbio envolve as operações de compra e de venda de moeda estrangeira, as operações em moeda nacional entre residentes, domiciliados ou com sede no País e residentes, domiciliados ou com sede no exterior e as operações com ouro-instrumento cambial, realizadas por intermédio das instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio.

No Brasil o mercado de câmbio se divide em dois segmentos, o mercado flutuante, também conhecido como câmbio turismo e o mercado livre, também conhecido como câmbio comercial. É comum a divulgação em jornais de um segmento chamado câmbio paralelo ou mercado paralelo, mas este não é autorizado pelo Banco Central, sendo, portanto, ilegais os negócios realizados neste mercado.

Qual é o papel do Banco Central no mercado de câmbio?

O Banco Central executa a política cambial definida pelo Conselho Monetário Nacional-CMN. Para tanto, regulamenta o mercado de câmbio e autoriza as instituições que nele operam. Também compete ao Banco Central fiscalizar o referido mercado, podendo punir dirigentes e instituições, mediante multas, suspensões e outras sanções previstas em Lei. Além disso, o Banco Central pode atuar diretamente no mercado, comprando e vendendo moeda estrangeira de forma ocasional e limitada, com o objetivo de conter movimentos desordenados da taxa de câmbio.

O que é taxa de câmbio?

É a relação de valor entre duas moedas, também chamado de paridade entre moedas. Atualmente, a taxa de câmbio no Brasil é flutuante, ou seja, é uma taxa livre que pode ser pactuada entre as partes, oscilando de acordo com as variações do mercado. No caso do câmbio turismo a oscilação é bastante sensível à demanda e à oferta da moeda no mercado local.
Hoje não existe nenhuma regulamentação oficial que determine a taxa (no passado já foi fixada pelo governo brasileiro, o chamado câmbio fixo). No entanto, o governo pode intervir no mercado quando há grandes oscilações, com o intuito de adequar a taxa de câmbio à política monetária e cambial adotada. Faz isso retirando (compra) ou ofertando (venda) dólares no mercado brasileiro. O Banco Central divulga a taxa média praticada no mercado interbancário, conhecida no mercado por "taxa PTAX".

E então porque existe diferença entre a taxa que está no jornal e a taxa que praticamos?

As taxas que os jornais informam refletem a média do dia anterior, estando sempre desatualizada. As taxas geralmente são do dólar comercial (importação, exportação, etc.) que serve para sinalizar a venda e a compra diária. Embora essa taxa varie durante o dia, ela é a base para o dólar flutuante, onde se enquadra o dólar turismo, pagamentos etc. A taxa do dólar turismo variará em cada região do país e será normalmente mais alta do que a do dólar comercial.

Quem pode comprar e vender moeda estrangeira?

Pessoas físicas ou jurídicas podem comprar ou vender moeda estrangeira. Devem se dirigir a uma instituição autorizada a operar no mercado de câmbio com a documentação exigida. Podem comprar ou vender:

• Brasileiros e estrangeiros residentes no país.
• Brasileiros residentes no exterior.
• Turistas estrangeiros na saída do Brasil.
• Empresas brasileiras para cobertura de viagens de funcionários e/ou destinação posterior.
• Membros de corpos diplomáticos no Brasil.
• Funcionários de entidades internacionais das quais o Brasil for signatário.

Quais as vantagens de comprar moeda estrangeira na Premier Câmbio?

A garantia de que você estará comprando moedas estrangeiras de um estabelecimento autorizado pelo Banco Central, não havendo risco de serem falsas. Você estará recebendo o Boleto de Câmbio (comprovante da operação) que lhe permitirá sair legalizado do país, estando documentado numa eventual fiscalização nos aeroportos.
Somos correspondentes da Treviso CC S/A, uma das maiores corretoras do país e membro da Associação Brasileira de Corretoras de Câmbio – ABRACAM

Como proceder e qual a documentação exigida para a realização de operações de câmbio turismo?

Para a realização de operações é necessário que o cliente esteja com a situação cadastral regular junto à Receita Federal do Brasil.

Limites e Documentação definidos pela Treviso Corretora de Câmbio S/A para operações de câmbio turismo - compra ou venda de moeda estrangeira ou operações nos cartões pré-pagos Cash Passport:
Limite de 3.000,00 dólares americanos ou o equivalente em outras moedas para um período de 180 (cento e oitenta) dias: O cliente deverá apresentar sua carteira de identidade (RG) e documento de CPF ou documento oficial (Ex. CRM, CREA, OAB...) que possuam estas informações.
Limite de 10.000,00 Reais para um período de 30 (trinta) dias: Além da documentação anterior o cliente deverá apresentar comprovante de endereço e documentos que comprovem ser economicamente ativo, como holerite (contra-cheque), cartão bancário ou folha de cheque.
Limite superior a 10.000,00 Reais para um período de 30 (trinta) dias: Neste caso o cliente deverá preencher um cadastro completo com ficha cadastral da própria Corretora, cartão de assinatura, cópias autenticadas do comprovante de endereço e documentos de identificação (RG e CPF ou documento oficial com estas informações) e comprovante de rendimento (holerite ou imposto de renda). Este cadastro será avaliado pela Treviso Corretora de Câmbio que atribuirá um limite operacional para um período de 30 (trinta) dias.
O limite de compra dependerá da capacidade financeira de cada cliente.
A reserva da moeda pode ser feita por telefone, garantindo-se a disponibilidade e taxa cambial por até 1 dia útil.

Como realizar o pagamento da compra de moedas estrangeiras?

Para compras de até USD 3 mil ou o valor equivalente em outras moedas o pagamento poderá ser realizado em espécie ou transferência bancária* (DOC ou TED). A partir deste valor o pagamento deverá ser feito obrigatoriamente através de transferência bancária (DOC ou TED).
*a transferência deve vir da conta do titular da operação, e não pode vir de pessoa jurídica.

Existe a cobrança de mais alguma tarifa, comissão, além da cotação da moeda?

Nas operações de câmbio turismo em papel moeda existe a cobrança do IOF (imposto sobre as operações financeiras) na alíquota de 0,38%. Na taxa que praticamos diariamente neste tipo de operação já está embutido o valor do IOF.
Nas operações que envolvem cartões pré-pagos (Multimoedas Cashpassport Mastercard) incidirá a alíquota de 6,38% sobre o valor da operação (a partir de 28/12/2013, após DECRETO publicado no D.O.U. EM 27/12/2013).

Devo declarar a quantidade de moeda estrangeira que estou levando na saída do país? E na volta?

As autoridades podem, na sua saída ou entrada do Brasil, solicitar o seu Boleto de Compra. Na sua volta, as autoridades distribuem, ainda no avião, um formulário, com várias perguntas, dentre elas se você está portando mais de R$10.000,00 (dez mil reais). Em abril de 2006 tornou-se obrigatória a apresentação da Declaração Eletrônica de Porte de Valores (e-DPV), para quem esteja portando valores em moeda estrangeira que superem ao equivalente a R$ 10.000,00.

Em agosto de 2013, o sistema e-DPV foi substituído pelo novo sistema de Declaração Eletrônica de Bens de Viajante (e-DBV), que unifica a Declaração Eletrônica de Porte de Valores (e-DPV) e a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA).

Apesar de não existir um limite para compra e venda de moeda estrangeira, a Receita Federal, exige que todo viajante que ingressar no Brasil ou dele sair com recursos em espécie, em moeda nacional ou estrangeira, em montante superior a R$ 10.000,00, é obrigado a apresentar a Declaração Eletrônica de bens de Viajante (e-DBV), por meio da internet, no endereço www.edbv.receita.fazenda.gov.br, e dirigir-se à fiscalização aduaneira, no momento de seu ingresso ou saída, para fins de conferência da declaração.

Devo declarar as moedas compradas no meu imposto de renda?

A operação de câmbio turismo é isenta de IR desde que seja destinado à cobertura de gastos pessoais no exterior em viagens de turismo, negócios, serviço, treinamento ou missão oficial. No entanto, você deve declarar no seu IRPF as moedas adquiridas e que não foram gastas durante o exercício em questão. (IN RFB 1.119 de 06 de janeiro de 2011).

Vou viajar a trabalho e a empresa me pagou em reais um valor para custeio de minha viagem, como devo proceder?

Se você vai viajar pela empresa e ela lhe deu reais para converter em moeda estrangeira, você deverá solicitar a moeda em seu nome. Neste caso, o cheque de sua empresa deverá ser depositado em sua conta e você deve efetuar a compra em espécie, cheque, DOC ou TED. Se, entretanto, a empresa está lhe comprando os dólares, verifique a opção Pessoa Jurídica.

É permitido ao estrangeiro não residente no país a compra de moedas estrangeiras?

Sim. Para isso o estrangeiro deverá apresentar o boleto de venda de suas moedas quando de sua entrada no país, comprovando a origem dos reais em seu poder.